Nem com canhões!


Nem com canhões!



por Paulo da Vida Athos.


Nada do que estou vendo agora do que fazem contra Lula me surpreende. 

Tenho boa memória, senhoras e senhores, assim como sei que o povo tem. Não me preocupo com Lula que está mais que calejado quanto às armações e esperneio dessa elite desavergonhada que sempre tentou lhe colocar cabresto.

Isso é história antiga. Nunca aceitaram sua liderança. Apenas a reconheceram e tentam, desde então, liquidá-la. Afinal, como a classe dominante aceitaria silente que um membro da classe operária a ela não se submetesse? Pior, ainda tivesse a audácia de pensar um partido político da classe operária? Inaceitável!

Por isso o prenderam várias vezes. Mas a prisão que mais deixou clara a razão do preconceito da sociedade autoritária, elitista e fechada para com sua liderança, foi a de abril de 1980, diante da concordância e apoio do sr. Luís Eulálio Bueno Vidigal, que disputava naquele momento a presidência da toda poderosa Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a FIESP, sepulcro das esperanças dos ideais do trabalhador brasileiro e das riquezas nacionais. Em entrevistas à imprensa, Vidigal assumia como natural o seqüestro e a prisão de Lula.

Talvez o maior erro dos estrategistas da elite, que então tinham ainda sob jugo a Democracia, foi julgar que com sua prisão, tornando-o tão refém quanto a democracia brasileira, liquidariam sua liderança e seu carisma e, de lambuja, nossos sonhos e nossa esperança.

Lula, de porta em porta das fábricas do ABC, foi impondo condições que atendiam aos anseios do proletariado, dos trabalhadores que aglutinou em torno de si, baseado em idéias e ideais de justiça social.

No início, apenas Lula acreditava. Ele, e uns poucos. Mas ao verem a onda crescer, e o conteúdo da luta sindical que Lula liderava (que estava presente em outras democracias capitalistas), do alto de sua empáfia o sr. Luis Eulálio Vidigal e seu então inexperiente ministro do Trabalho, Murilo Macedo lamentavam a “politização” da luta.

Lula foi libertado e sua luta continuou. Ele queria mesmo, e conseguiu politizar a luta por justiça social de onde se origina a luta por conquistas trabalhistas, da qual é apenas um dos ramos.
Hoje, décadas depois, Lula presidirá o Brasil pela segunda vez. A elite está hidrófoba! “Como é que pode aquele barbudo analfabeto e sem um dedo conseguir todas as conquistas durante seu primeiro governo?, vociferam, olhos esbugalhados de ódio, mais incrédulos que no passado.

Simples, senhores: com luta e honestidade.

Se há tantos escândalos envolvendo políticos, o povo agradece! As coisas não são como no tempo dessa corja derrotada pelo povo, quando escondiam tudo. Lula quer tudo apurado, doa a quem doer!

E, certamente, dói mais na elite... 

Hoje colocam Lula como alvo da mídia para liquidá-lo como líder, fazendo sórdidas campanhas difamatórias, o que é imperdoável. 

Tentam iludir o povo para mais uma vez tangê-lo como gado e dele saquear as conquistas alcançadas no governo Lula, o que é impossível! 

Ensaiam o golpe..

Esse seria o mais boçal dos erros de cálculo da elite.

A indignação popular ante o arbítrio de traços neofascista dessa elite insaciável, nessa quadra do tempo, senhores e senhoras, não seria abafada.

Nem por canhões!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

Juliana Navegante David

Oração para Oxossi