30 novembro 2012

Olhares...






Existe uma beleza triste, um algo de despedida, de não mais ver, de sol se pondo, no vôo do pardal que por um instante teve seu olhar mergulhado no meu...

20 novembro 2012

Não basta ser ministro do STF: tem que ser Magistrado!



 Estão louvando, por ser negro, o Quincas, como se ele fosse o próprio Zumbi dos Palmares, na semana de comemoração ao segundo e à Consciência Negra, porque aquele está presidente do STF justamente nessa semana, embora vá ser empossado na próxima.

Independente de raça, o que para mim não vem ao caso, independente de que esteja na posição mais elevada do Poder Judiciário, e uma das três mais importantes da República, o fato é que Joaquim Barbosa se mostrou um limitado, descontrolado e parcial juiz, e, como tal, em meu sentir, jamais será um Magistrado.

E mais: temo pelo Direito, por sua participação à frente do STF.


Rio, 20/11/2012

12 novembro 2012

STF: a Corte que faz corte à Mídia






STF: a Corte que faz corte à Mídia


 




O que esperar de uma Corte que faz corte à mídia, à fama, ao Poder e à popularidade?

O que esperar de uma Corte com um percentual tão baixo de magistrados e tão prenhe de juízes que não são oriundos da magistratura, mas sim de escolhas políticas?

O STF, especialmente: quantos são os componentes oriundos da magistratura, que não passaram, em algum momento da vida profissional, pela porta do Quinto constitucional?

A escolha de magistrados para as Cortes de Justiça, em meu ponto de vista que não influencia nada além de minha alma, em Brasília e em todo o Brasil, deveria ser por sufrágio de votos apenas de magistrados, de todo o Brasil, entre magistrados, com a garantia, sempre, dos princípios da inamovibilidade e irredutibilidade de salário, para manter sua independência.

Para retirar algum eleito que faça as asneiras que estamos assistindo o STF fazer, que fosse previsto um plebiscito entre os mesmos que os levaram ao cargo através de voto. Até lá, contamos apenas com o tempo.

Mas o tempo tem o malefício de retirar alguns membros que, de fato, são grandes e respeitáveis Magistrados.

01 novembro 2012

A mídia conspira contra a República







A Veja, o Globo, a  Folha e o Estadão deram, na data de hoje, 01/11/2012, o pontapé inicial da campanha oposicionista para o pleito presidencial de 2014.


Golpisticamente repercutem matéria em que Marcos Valério teria prestado novo depoimento ao Ministério Público Federal no fim de setembro, onde teria citado o ex-presidente  Lula e o ex-ministro Antonio Palocci.

O que querem, com isso, é a fomentação de algo maior que um golpe midiático. Querem ver sangue nas ruas.

Esse é o tipo de golpismo rasteiro que sempre fizeram, tipo uma erva daninha que plantam agora para tentar colher os frutos do veneno em 2014.  Isso lembra mais ou menos o que ocorreu com julgamento político-judicial vergonhosamente levado a efeito pelo STF, já que é dfificil acreditar que seus integrantes, em sua maioria, não participem dolosamente desse desenredo. 

Estou realmente preocupado.  Não porque a mídia possa ganhar eleições através de sua oposição virulenta: basta olhar o mapa das últimas eleições e veremos que os partidos da direita e da extrema-direita saíram claramente derrotados e, não fosse a própria cisão existente nas esquerdas, o “sapeca-iáiá” que a direita tomou teria sido ainda mais retumbante.

O que me preocupa é o abismo que a campanha que está começando a ser engendrada pela grande mídia, que usa dos jornais escritos e televisionados à teledramaturgia, possa cavar entre as camadas mais pobres e as mais ricas no Brasil, bem como a intensidade de ódio nessas diferenças, não as reais, mas aquelas ideologicamente manipuladas e distorcidas pela campanha midiática.

A Venezuela viveu isso.  Em 2002 teve golpe com a participação dos EUA contra Chavez, que durou três dias, e os venezuelanos estiveram muitas vezes à beira da guerra civil provocada justamente pela mídia golpista que pertence ao capital e às oligarquias, e eles estão ensandecidos com a derrota acachapante nessas eleições aqui no Brasil, porque intimamente sabem, mas não confessam, que elas prenunciam  que as esquerdas continuarão no poder após 2014, e mais fortalecidas.

Por isso, nada deve ficar sem resposta.  Coisas como essas, não podem, ou pelo menos não devem, ter como resposta nosso silêncio ou nossa omissão.  Isso na verdade, é  uma conspiração.  Conspiração contra o povo, contra a Democracia e contra a República.

Temos que usar as redes e os movimentos sociais, assim como a militância de todos os partidos de esquerda que estejam comprometidos com o povo e com a democracia deve manter-se alerta e ativa.

Basta de golpes midiáticos no Brasil!

Meu filho

Tenho em minha vida o homem mais doce que existe, meu filho. Quem tem a felicidade de conhecê-lo, sabe disso. Um cara amigo, leal, com ...