Homens e animais



Por Paulo da Vida Athos.


Exceto se crermos que houve uma conspiração geral que deliberadamente permitiu o confronto entre traficantes da Rocinha e traficantes invasores, para que se matassem, conspiração essa que envolveu todas as áreas e níveis do sistema de segurança, o que nos lançaria ao caos, temos que concluir que na verdade não temos uma política pública de segurança no Estado.
Segundo se noticiou, a invasão era de conhecimento era de conhecimento da Secretaria de Segurança, do comando da PM, da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e da 15.ª DP (Gávea).
O subsecretário de Inteligência da Secretaria de Segurança, coronel Romeu Antonio Ferreira teria dito que na sexta-feira dia 10de fevereiro ligou para o coronel Pitta, chefe do Serviço Reservado da PM (PM-2) no QG da corporação, informando que traficantes de várias favelas planejavam invadir a Rocinha antes do carnaval. A informação foi repassada ao 23.º BPM (Leblon) e a todas as unidades operacionais da PM, como os batalhões de Choque e de Operações Especiais.
O comandante-geral da PM, coronel Hudson de Aguiar, disse que, na mesma data a PMERJ foi informada, pela Subsecretaria de Inteligência, de que poderia estar sendo articulada uma tentativa de invasão da Rocinha antes do carnaval, e que disso teve conhecimento o coronel Hudson, o comandante do 23.º BPM, Norberto Mendes, decidiu reforçar o patrulhamento nos acessos à favela.
A Subsecretaria de Segurança e Inteligência (SSI) recebeu em 3 de fevereiro da Secretaria de Administração Penitenciária informações sobre o ataque à Rocinha, e que os invasores usariam como base as favelas do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo. Informação conseguida graças à gravação de uma conversa telefônica do chefe do tráfico do Pavão-Pavãozinho preso em Bangu III. O subsecretário de Inteligência, Romeu Antônio Ferreira, confirmou ter repassado a informação aos serviços de inteligência das polícias Civil e Militar.
Segundo o ilustre secretário de Segurança Marcelo Itagiba, não teria havido falha ou desinformação entre os setores da segurança pública vez que a PM agira “corretamente ao limitar-se a manter o cerco à favela, evitando o confronto direto com os traficantes, que se enfrentaram por três horas, deixando às escuras grande parte da comunidade e da Gávea”. Se a ação dos criminosos fosse em um bairro da zona sul do Rio, mesmo às escuras, iriam aguardar a alvorada para agir? A tropa tem medo do escuro, senhor secretário?
Não se pode levar a sério tais declarações. Exceto se crermos em uma conspiração. Falha não houve na informação: houve apenas na execução preventiva e ostensiva policial. Fica claro que todo mundo sabia de tudo. Quanto a manter cerco na favela, esperando o dia raiar, enquanto traficantes matam inocentes? Ora, qualquer pessoa medianamente inteligente, sem ter qualquer curso ou profissionalização em segurança e estratégia, sabe que o cerco deveria ter ocorrido antes dos invasores chegarem à Rocinha e de preferência no local em que estavam reunidos antes de atravessarem a cidade para invadir outra favela. Isso é óbvio.
Sabemos que esse discurso é aquele blá blá blá de sempre: -“Não podemos invadir pois colocaremos a vida de inocentes em risco”. Conversa fiada. Nunca se importaram em atirar com fuzis entre becos de favelas. Contem as vítimas das invasões policiais contra os nossos guetos ao longo dessa última década. Crianças e trabalhadores morrem ou são feridos costumeiramente. Até defunto no caixão já encontrou bala perdida no Rio de Janeiro. E nesse caso específico mesmo quem é contra invasões policiais em favelas, como eu, entenderia a necessidade de assim agir.
Não era caso de esperar o dia raiar. Não era caso de esperar a invasão ocorrer para depois “a manter o cerco à favela, evitando o confronto direto com os traficantes”. Tinha que ter agido antes da invasão. Sabiam onde estavam reunidos os invasores, sabiam que invadiriam antes do carnaval. Ou então: que se cercasse a Rocinha: mas antes da invasão. Quem chegasse, a polícia agiria com inteligência, e os prenderia. Seria pedir muito pedir que a polícia agisse com inteligência? Mas ocorreu o inverso. Permitiram a barbárie.
Agora, vem a mídia e setores de da própria secretaria de segurança pública tentar crucificar o delegado Marcos Alexandre Reimão. Pois bateram na porta errada.
Para quem não sabe e para quem esqueceu o delegado Marcos Reimão foi quem acabou praticamente com os seqüestros no Rio de Janeiro. Crime que atingia, por sua característica e objetivo, a classe favorecida.
O número de casos de seqüestros na década de 90 no Rio de janeiro era estratosférico. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Subsecretaria de Planejamento Operacional., Publicado no Anuário Estatístico do Estado do Rio de Janeiro de 1998), tínhamos o seguinte quadro: seqüestros 1990 (91), 1991 (91), 1992 (124), 1993 (64), 1994 (90), 1995 (122), 1996 (68), 1997 (59), 1998 (18).
É quando surge o Dr. Reimão à frente da DAS (Divisão Anti Seqüestros) em novembro de 1997. Com o slogan que ficou conhecido no meio policial e no submundo do crime, “É DAS ou desce”, cunhado por Reimão, praticamente se extinguiu até hoje o crime de seqüestro no Rio de Janeiro.
O Dr. Reimão é um policial sério, sem rabo-preso. Não é daqueles delegados de gabinete que mandam seus homens irem ao campo de batalha e fica no pijama. É homem de levantar de madrugada e chamar a equipe toda que se apresenta inteira e íntegra, a qualquer hora do dia ou da noite para combater qualquer combate. Tendo o Dr. Reimão á frente, o CORE tem sido o único órgão que trabalha para a cidade e não para aparecer na mídia. Se aparece, é em função do trabalho que executa. Quem acompanha a crônica policial sabe disso.
Não à toa o Dr. Reimão é tão admirado e amado por seus comandados quanto odiado por aqueles que dele sentem inveja. Agora, a mesma mídia que o enalteceu o responsabiliza, por essa falha gritante no caso da invasão á Rocinha. Creio que aí existe uma conspiração sim, mas contra o Dr. Reimão.
Mas ele é uma reserva moral da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro. Um homem íntegro, incorruptível e líder. Um homem de bem e do bem. Não sou um amigo a defender outro. Aliás, muito provavelmente ele nem sabe quem sou. Mas eu sei quem ele é e o que é para seus companheiros de combate e para a sociedade. Pudesse escolher: seria ele o Secretário de Segurança, não fosse a cisão histórica entre a policia civil e militar.
Não posso calar diante das insinuações contra o CORE e seu comandante. Se houve uma falha e se essa falha não foi uma conspiração para que traficantes se matassem (mas tudo saiu do controle e inocentes foram as grandes vítimas), foi uma falha geral. Normal nos setores de segurança pública carioca, que nunca primaram pela inteligência.
Resumindo, nem o ilustre senhor Secretário de Segurança, nem ninguém pode cobrar coisa alguma do Dr. Reimão, sem antes cobrar de si próprio.
Quando se acabou com os seqüestros que atingiam nossas elites, trabalhou-se com inteligência e tecnologia. Como o tráfico até aqui atingia os desvalidos, e como isso está mudando e aos poucos já ganhou os contornos de uma guerra civil, descendo os morros, saindo dos guetos, ganhando as ruas da zona sul, ecoando por toda a cidade, pode ser que as coisas mudem.
Pode ser que casos como esses não mais se repitam, que a polícia policie, que as informações sejam aproveitadas, que o poder público não abandone à própria sorte os despossuídos, que as elites abram mão de parte de suas posses em favor dos desvalidos.
Torço para que se estabeleça um marco para o implemento de justiça social.
E, definitivamente, que nossa polícia perca o medo do escuro...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

Juliana Navegante David

Oração para Oxossi